Em meio à crise elétrica no país, Nordeste tem novo recorde de geração de energia eólica

Operador Nacional do Sistema (ONS) divulgou na ultima segunda-feira (12) , que a geração de energia eólica bateu mais um recorde no Nordeste, com um pico de 11.715 MW, potência suficiente para abastecer 106,8% de toda a região nordestina no momento do recorde.

Os números vêm de uma sequência inédita desde o dia 8 de julho quando os ventos alcançaram o pico e levaram à geração de 11.548 MW, o suficiente para abastecer  99,2% de toda a região. E não parou aí. Um dia depois, na sexta-feira (9), à zero hora, a geração instantânea bateu 11.464 MW, valor correspondente ao fornecimento de 100,8% do consumo de energia da região Nordeste.

Quanto ao recorde de geração média, o último registro foi feito no dia 2 de julho, quando foram gerados 9.707 MW médios, potência suficiente para atender a 91,9% da demanda da região no dia.

De acordo com dados do ONS, a energia eólica representa 10,7% da matriz elétrica brasileira e a expectativa é que chegue ao fim de 2025 alcançando 13,2%. Atualmente, a energia eólica representa 10,7% da matriz elétrica brasileira e a expectativa é que chegue até o fim de 2025 com 13,2%.

Segundo o site Terra, no ano passado, a chuva foi volumosa no interior do Nordeste (com valores entre 1 de janeiro e 13 de julho de 2020 entre 100 e 1000mm acima da sua média). Nestes últimos dias, pelo contrário, pouca chuva ocorreu. Aliás, o Monitor de Seca da Agência Nacional de Águas (ANA) mostra que a seca aumentou no interior do Nordeste com relação ao ano passado. Naquele ano, praticamente não choveu, e os maiores volumes ficaram concentrados mais no norte do Nordeste e no Norte do país. Este ano choveu bem menos, entre 01 de janeiro e 13 de julho de 2021 a chuva ficou entre 900mm e 100mm abaixo da média. Se tem poucas chuvas, têm uma maior intensificação dos ventos.  E o que domina principalmente é a região do Atlântico.

Como a Zona de Convergência Intertropical está mais posicionada ao norte da posição climatológica e diminui a precipitação no Nordeste, como consequência observa-se o fortalecimento dos ventos alísios na região, favorecidos pela área de alta pressão atmosférica na região do Atlântico Sul. Destaca-se também que durante ocorrência de neutralidade no Oceano Pacífico tropical temos mais extremos de vento no Nordeste Brasileiro, principalmente no interior e leste da Região, onde a relação entre o sinal de ENSO e extremos não é tão evidente quanto no norte do Nordeste.


Fonte: ClimaInfo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *