Ortopedista dá dicas para evitar a Lesão por Esforço Repetitivo (LER) na sua vida profissional

Se a sua profissão pede que você realize movimentos recorrentes como digitar, operar máquinas, tatuar, secar e escovar cabelos, dirigir ou jogar é preciso estar atento com a Lesão por Esforço Repetitivo (LER), já que essa síndrome pode, em algum momento, fazer parte da sua vida.

Segundo o ortopedista e especialista em ombro e cotovelo, Dr. Layron Alves, a LER é caracterizada por um conjunto de patologias que vão desde bursite, tendinite, epicondilite, tenossinovite, síndrome do túnel do carpo, entre outras. “Esses problemas atingem os músculos, nervos e tendões dos membros superiores, causando uma tensão no sistema músculo esquelético. O paciente pode apresentar dor nos membros superiores e nos dedos, formigamento, dormência fadiga muscular e dificuldade para movimentar a região”, explica o médico.

Segundo estudo divulgado pelo Ministério da Saúde, de 2007 a 2016, o Brasil registrou 67.599 casos de lesões por esforço repetitivo. O problema afeta em maioria o sexo feminino (51,7%), trabalhadores entre 40 e 49 anos (33,6%) e pessoas com ensino médio completo (32,7%). A maior parte dos casos foi registrada na região Sudeste, com 58,4% das notificações. Somente em 2016, os estados com maiores incidência do problema foram: Mato Grosso do Sul, São Paulo e Amazonas.

Por se tratar de um problema que pode ter inúmeras causas, o tratamento vai depender de um diagnóstico criterioso e adequado feito na maioria das vezes pelo médico ortopedista. Entretanto, entre as recomendações dos especialistas podem estar o afastamento temporário das atividades, uso de talas ou órteses ergonômicas para imobilizar a região, utilização de medicamentos para amenizar os incômodos e exercícios de fisioterapia.

E como a prevenção é sempre o melhor remédio, Dr. Layron Alves dá algumas dicas para os profissionais que não querem sofrer com o problema no futuro, confira:

– Faça uma pausa! O indicado é que a cada 25 minutos de esforço na região, digitando ou realizando outra função, por exemplo, seja feita uma parada de cinco minutos com a realização de alongamentos para aliviar a tensão;

–  Regule os móveis e equipamentos de trabalho de acordo com as suas características fisiológicas. Passamos quase a maior parte do nosso dia trabalhando, logo as condições para exercer a profissão devem sempre estar alinhadas com a saúde e qualidade de vida;

– Se você trabalha sentado fique atento com a sua postura, pois ela é pode ser um desencadeador do problema. Por isso, mantenha os ombros relaxados, pés no chão, pulsos retos e costas apoiadas no encosto da cadeira;

– Respeite os limites do seu corpo! Nada de realizar força nem pressões exageradas ou constantes em sua atividade. Em caso de dor constante, evite a automedicação e procure a opinião de um especialista.

redacao@cidadeverde.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *