Covid: em dois meses, 15% dos testes feitos em farmácia deram positivo no Piauí

0
171

Uma pesquisa feita pela Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) mostra que, no Piauí, entre o final do mês de abril e início de junho, 15% dos testes para a covid-19 realizados deram positivo. Ao todo, entre 28 de abril e 14 de junho foram efetuados 995 exames. O dado é tido como positivo pelo Conselho Regional de Farmácia do Piauí (CRF-PI).

“O teste identifica a presença de anticorpos na amostra, mas ao procurar a farmácia, o paciente será orientado pelo farmacêutico se é o momento adequado para fazer o teste ou não, já que o indicado é que seja realizado após 7 dias a partir da suspeita do contágio ou 3 dias após os sintomas”, diz o presidente do Conselho, Luiz Júnior.

Ainda de acordo com os dados divulgados pelo CRF, o Piauí segue a média nacional. A pesquisa mostra que, no país, a cada 100 testes realizados em farmácias para detectar o novo coronavírus, 15 têm resultado positivo. Conforme a pesquisa, foram realizados 62.660 testes rápidos no país, para detecção de anticorpos contra o vírus. Desse total, 9.584 (15%) testaram positivo, enquanto para 53.076 pessoas (85%) o resultado foi negativo.

O teste rápido feito em farmácias se dá se dá por meio de um furo na ponta do dedo, onde o sangue do paciente é coletado. O presidente do CRF orienta as pessoas a não fazerem teste em casa.

“O teste rápido está disponível de forma descomplicada nas farmácias, com um custo menor. Atualmente existem testes de ótima qualidade à disposição, por isso, a nossa recomendação que as pessoas não realizem em domicílio sem a presença de um profissional, para evitar falsos negativos”, informa Luiz.

Foto: CRF


Presidente do Conselho Regional de Farmácia, Luiz Júnior.

O presidente observa que o teste rápido também é favorável no sentido de identificar os casos assintomáticos, pois aponta se o paciente já possui os anticorpos. “Esse é um teste que mede a quantidade de anticorpos no organismo à covid-19, indicando se o paciente já teve contato com o vírus”, esclarece Júnior.

Hérlon Moraes (Com informações do CRF)
redacao@cidadeverde.com

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here