Fiscal da vigilância sanitária é ameaçado durante trabalho e faz desabafo

0
186

O fiscal da vigilância sanitária municipal de Piracuruca, Dione Emanuel, denuncia que foi agredido verbalmente e ameaçado pelo presidente da Câmara Municipal do município, Everaldo Gomes (MDB), durante uma fiscalização na manhã deste sábado (18). O caso foi registrado em um frigorífico de propriedade da cunhada do vereador.

De acordo com o fiscal, a equipe da vigilância sanitária estava autuando o estabelecimento, que recebia clientes, desobedecendo ao que determina o decreto de lockdown parcial do governo do Estado.

A proprietária do estabelecimento teria se recusado a assinar a notificação, o que acabou gerando um impasse.

“Ele já entrou no estabelecimento ameaçando a equipe, dizendo que era politicagem. Veio na minha direção e disse:  ‘na hora que tu tirar essa farda, eu te pego. Se meu irmão estivesse aqui, tu não ia sair daqui. Vai me pagar’. Ele me ameaçou várias vezes”, relatou Dione Emanuel.

Foto: arquivo pessoal

O fiscal procurou a delegacia para registrar boletim de ocorrência e afirma que vai entrar com um processo contra o vereador, por conta das ameaças e do constrangimento causado pelo episódio.

“Todo mundo ficou horrorizado. Ele, como presidente da Câmara, era o primeiro que deveria dar exemplo para a cidade. Ele vê o funcionário, em exercício da sua função, e vai é ameaçar. A gente esta se arriscando, deixa a família em casa,  e recebe em troca  ameaça de morte”, lamentou.

Outro lado

Procurado pelo cidadeverde.com, o vereador Everaldo Gomes negou que tenha ameaçado os fiscais da vigilância sanitária. Ele afirma que foi ao local apenas na tentativa de acalmar os ânimos durante o impasse e diz que, no momento da abordagem, o estabelecimento estava fechado, sem receber clientes, e apenas realizava a entrega de uma encomenda.

“Eles queriam obrigar ela a assinar uma notificação, e ela disse que só ia assinar com  a presença do esposo. Eles chegaram com a maior grosseria, agredindo a minha cunhada com palavras, com ameaças . Eu cheguei apenas para tentar acalmar e conversar com eles”, disse o vereador.

Foto: arquivo Câmara

Everaldo Gomes também questiona a forma de abordagem dos fiscais e acredita que o episódio pode ter conotação política, pelo fato dele  fazer parte da oposição ao atual prefeito.

“Isso não existiu. Eu sou uma pessoa do bem, um conciliador. isso é uma denúncia política, porque eu sou pré-candidato a vice-prefeito de Piracuruca. Sou presidente da Câmara e opositor a eles”, afirmou.

Natanael Souza

redacao@cidadeverde.com

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here