Motoristas rejeitam diárias e querem salário integral para retorno integral dos ônibus

Motoristas e cobradores de ônibus estiveram reunidos com empresários na manhã desta terça-feira (12) para discutirem o retorno gradual dos ônibus às ruas e o pagamento de dívidas anteriores.

A reunião foi fechada, na sede do Setut (Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina), na avenida Maranhão, centro da cidade.

O encontrou durou cerca de 1h30. Uma das principais reivindicações dos trabalhadores é a manutenção do salário integral e a assinatura da convenção coletiva da categoria.

Atualmente, os motoristas e cobradores na capital piauiense que estão na ativa têm recebido o salário através de diárias, o que para eles não é interessante. Os trabalhadores querem o salário integral para que o retorno dos ônibus aconteça em Teresina. A categoria defende o valor de R$ 2.209,00 para os motoristas e R$ 1.288,00 para os cobradores. Além disso, reivindicam também a volta do ticket alimentação, plano de saúde e a jornada de trabalho de 7h20.

Ao final da reunião, o advogado Cauê Silva Castro, representante do Sintetro, falou com o Cidadeverde.com e fez um balanço não tão satisfatório da reunião desta terça (12). Segundo o advogado, o SETUT não apresentou nada concreto e que mudasse a situação dos motoristas e cobradores.

“Nós tentamos conversar, principalmente, com relação a nossa convenção coletiva. Estamos desde 2020 sem convenção coletiva. Infelizmente, não há qualquer retorno nesse sentido. Nós deixamos nossa proposta, nossa proposta é: a assinatura da convenção coletiva com base ano 2020/2021. Estamos abertos para negociar uma futura convenção coletiva 2022, com as alterações que se façam necessárias para melhorar o sistema, para melhorar todo o sistema, garantindo o direito dos trabalhadores e garantindo um bom transporte público”, pontuou o advogado Cauê Silva Castro.

POSSIBILIDADE DE GREVE E MANIFESTAÇÃO

Com base no que foi discutido na reunião, a diretoria do Sintetro irá se reunir para convocar uma assembleia. Nessa assembleia deverá ser colocado em votação a possibilidade da categoria voltar a grevar em Teresina. Vale ressaltar que os 200 ônibus em Teresina estão circulando apenas no horário de pico na cidade.

“A possibilidade é permanente. Existe sim a possibilidade de greve, mas só a assembleia geral é que pode definir isso. A manifestação é certeza que irá acontecer. A diretoria do sindicato irá se reunir. Do ponto de vista jurídico, nós vamos interpelar ações cabíveis, fazendo as denúncias ao Ministério Público do Trabalho para que sejam averiguados as irregularidades trabalhistas que persistem”, frisou o advogado Cauê Silva Castro.

SETUT VÊ SALDO POSITIVO EM REUNIÃO

Diferente do que falou o advogado representante do Sintetro, a advogada representante do Setut, Naiara Moraes, analisou como muito bom o diálogo entre os empregados e empresários do transporte coletivo em Teresina.

” A gente conseguiu explicar sobre os parâmetros do acordo que foi feito com o município, exatamente para que eles pudessem comprometer que há um comprometimento em relação a atualização das folhas de pagamento”, afirmou a advogada.

Sobre um prazo para o Setut responder às reivindicações dos trabalhadores do transporte público, a advogada Naiara Moraes destacou que é uma coisa complicada definir dias. “Porque, na verdade, nem os empresários têm as datas. No novo acordo que foi firmado pelo município, só se especificam meses”, alegou Moraes.

Já ao Cidadeverde.com, o presidente do Sintetro, Ajurí Dias, afirmou que o Setut se comprometeu a dar um retorno quanto às suas reivindicações até a próxima sexta-feira (15/10). A advogada Naiara Moraes, no entanto, prefere não trabalhar com datas. “Não dá pra gente confirmar aqui datas de uma maneira certa”, concluiu a advogada.

 

Flash Nataniel Lima
redacao@cidadeverde.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *