Psicólogo comenta sobre os efeitos da pandemia na saúde mental e emocional dos indivíduos

Certamente você já ouviu frases do tipo: A saúde mental das pessoas piorou na pandemia; A depressão e ansiedade é uma das principais doenças da atualidade. Parece senso comum, mas é verdade que a saúde mental humana vem sendo afetada diretamente com a pandemia por Covid-19.

Segundo dados de uma pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos, encomendada pelo Fórum Econômico Mundial, aponta que 53% dos brasileiros tiveram a saúde mental e emocional piorada com a crise sanitária que se instalou no planeta. Não é para menos, vivemos tempos de perdas, adaptações e readaptações constantes que atingem o ser humano e seus relacionamentos sociais (trabalho, família, lazer).

Partindo desta realidade, o Jornal Folha Atual buscou trazer respostas sobre os efeitos mentais e emocionais desencadeados na saúde humana em razão da pandemia. O psicólogo clínico e hospitalar, Anderson Meireles, formado pela UniFacid Wyden, comentou sobre tais efeitos e de que forma a Psicologia pode ser uma aliada no tratamento emocional das pessoas.

FOLHA ATUAL: A pandemia tem provocado inúmeras transformações sociais e emocionais nos indivíduos.  Como nos fortalecer diante desse cenário?

ANDERSON: Primeiramente, temos que nos conscientizar que estamos vivenciando uma Pandemia e que são tempos difíceis ao mesmo tempo desafiadores para toda uma humanidade. Como estratégia para nos fortalecer podemos reforçar o uso dos cuidados estabelecidos pela OMS (Organização Mundial de Saúde), como por exemplo o uso de máscaras, lavar sempre as mãos, utilização de álcool em gel e tomar a vacina quando chegar a sua idade e sobretudo estabelecer uma rotina (Para estudos, para trabalho, para atividades físicas, vida social, familiar e etc…)

 

FOLHA ATUAL:  A ansiedade e depressão têm sido problemas emocionais desencadeados nesse período de pandemia. Como o indivíduo pode identificá-los?

ANDERSON: Podemos identificar através do comportamento dessas pessoas. Uma pessoa com sintomas de Transtornos de Ansiedade por exemplo que antes da Pandemia era uma pessoa considerada tranquila, paciente e assertiva, e em meio a Pandemia desencadeou comportamentos de medo constante, inquietude, irritabilidade demonstra através desses comportamentos que desenvolveu sintomas de um possível transtorno de ansiedade. Já pessoas que antes da Pandemia, eram pessoas extrovertidas, de fácil socialização e que mostravam prazer em executar certas atividades e com o passar do tempo passaram a ter comportamentos diferentes desses mencionados acima, possivelmente estão desenvolvendo episódios de Transtornos depressivos.

FOLHA ATUAL:   Diante da instabilidade no quadro emocional, quando se deve buscar ajuda profissional?

ANDERSON: Deve-se buscar ajuda de um profissional da Saúde Mental (Seja um Psicólogo ou um Psiquiatra) quando estes comportamentos passam a lhe prejudicar no âmbito familiar, do trabalho e no social.

FOLHA ATUAL:   Quais os tipos de tratamento?

ANDERSON: Escuta com um profissional qualificado, que é feita pelo profissional da Psicologia, onde esse profissional irá ouvir o paciente, sem qualquer tipo de julgamento ou crítica a demanda que este estará levando para a terapia. O profissional da Psicologia irá utilizar técnicas e recursos no intuito que este paciente possa resgatar a sua autoestima, a sua confiança, ressignificando a sua vida e sua história enquanto ser humano. Outro tipo de tratamento indicado é com o Profissional da Psiquiatria que é uma especialidade médica cujo foco é a compreensão e o tratamento das doenças emocionais e comportamentais. Desmistificando a ideia de que o tratamento psiquiátrico é somente através de medicamentos, esse profissional utiliza outras estratégias de intervenção, dependendo de cada situação e pessoa atendida.

FOLHA ATUAL:   Como a família pode também atuar como rede de apoio e assistir o indivíduo que sofre de depressão ou ansiedade?

ANDERSON: Primeiramente não julgar o familiar que está vivenciando esse momento delicado, acolhendo o mesmo e escutando sem qualquer tipo de crítica ou crença acerca do que estar sendo exposto. Logo em seguida orientar essa pessoa a buscar ajuda profissional com os profissionais mencionados acima.

FOLHA ATUAL:    Existe muito preconceito social no tocante às patologias emocionais.  Como desmistificar isso?

ANDERSON: Infelizmente ainda existe, pois muitos deduzem esses comportamentos como bobagem, ausência de fé, falta de coragem e muitas vezes como falha de caráter. Podemos desmistificar essas opiniões, normalizando o fato que todos nós em algum momento da vida, podemos desencadear algum tipo de transtorno no decorrer de nossas vidas e que caso seja desenvolvido existem profissionais habilitados para cuidar dessas demandas.

Por Paula Monize/Folha atual

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *