Veja as respostas das principais dúvidas que todo mundo tem sobre o Pix – O que é o Pix?

O Pix já é bastante conhecido e usado por muitas pessoas no Brasil, mas ainda tem aquelas que não entendem, ou não sabem bem usar essa nova ferramenta que foi criado pelo Banco Central com objetivo de facilitar pagamentos entre as pessoas ou entre empresas. Com sua facilidade, é possível que o TED, DOC e boletos estejam no fim.

Com esse sistema de pagamentos, o cliente pode transferir a qualquer hora do dia, o dinheiro que deseja para pessoas ou empresas. Uma explicação mais fácil, é como se fosse uma mensagem de SMS, só que com dinheiro. Para fazer isso, quem for transferir precisa saber a chave do recebedor. ou escanear o QR Code ou usar o NFC para pagamentos sem contato.

Não, o Pix não é um aplicativo. E sim um sistema que você pode encontrar nos aplicativos de pagamentos ou bancos relacionados ao Banco Central do Brasil.

As chaves são como o seu nome de usuário em uma rede social. Você vai cadastrar a sua chave, que pode ser o seu e-mail, número de telefone, CPF ou uma sequência aleatória gerada pelo banco. Assim que você escolher uma das opções e realizar o cadastramento as pessoas poderão lhe transferir dinheiro com apenas essa informação. OU seja, ao invés de você ter que memorizar a senha do banco, número da agência, conta, o pagador só vai precisar da sua chave escolhida.

Importante frisar que se você escolheu uma chave para um banco não poderá usar em outra instituição financeira. Como por exemplo, se você cadastrou o seu número de celular no Banco do Brasil como uma chave, não poderá usar a mesma na Caixa, tendo que colocar ou e-mail, ou CPF.

Para pessoas físicas, até cinco chaves podem ser cadastradas em uma conta. Pessoas jurídicas podem ter até 20 chaves por conta.

Chaves aleatórias ou EVP (Endereço Virtual de Pagamento) serão um conjunto de números, letras e símbolos que identificará a conta recebedora. Ao invés de informar para o pagador um endereço de e-mail, telefone ou CPF, poderá passar essa chave para receber pagamentos.

As chaves aleatórias são geradas pelo Banco Central, quando o usuário solicita essa forma de identificação. A opção é oferecida ao fazer o cadastro do Pix em algum aplicativo de banco ou fintech, como alternativa ao cadastro do e-mail, telefone ou CPF.

Se isso acontecer você deve ir no aplicativo do banco que está essa chave e cadastrar seu novo e-mail ou novo celular como novas chaves, excluíndo em seguida as anteriores. Tudo isso você encontra no aplicativo da agência bancária.

Há duas opções de QR Code para pagamentos: o estático e o dinâmico. Mas, ambos têm a mesma função e usabilidade para o pagador.

Um QR Code dinâmico é gerado a cada transação, para um uso individual e específico — útil para uso entre pessoas. Já o estático permite que o mesmo código seja utilizado em várias outras operações, facilitando a operação.

O QR Code estático é ideal para comerciantes e lojistas, pois permite a fixação de um preço ou a conta recebedora, assim não é necessário gerar um novo código a cada nova venda.

Não. O Pix vai funcionar também com fintechs como o PicPay ou Mercado Pago, as chamadas carteiras digitais. Dessa forma, quem tem conta em banco pode enviar para alguém no PicPay ou vice-versa.

O pagador deverá conferir os dados (valor e destinatário) antes de confirmar a operaçãoDepois que a transação for efetivada, não poderá ser estornada ou cancelada. A solução é negociar com o recebedor e pedir a devolução.

Não há restrição de horários para efetuar um Pix; O dinheiro é transferido na hora, no caso de TED e DOC pode levar um dia útil; Pix não exige conta bancária, pode ser feito via carteiras digitais; Um endereço (chave) é suficiente para transferir no Pix, sem precisar informar banco, agência, número da conta e documento do recebedor.

O BC (Banco Central) publicou as regras do serviço de saque e troco em dinheiro com o Pix, que estarão disponíveis no comércio e em caixas eletrônicos a partir do dia 29 de novembro desse ano.

Os dois possibilitarão a retirada de recursos em espécie, mas o Pix Saque é uma transação exclusivamente para saque e o Pix Troco está associado a uma compra ou prestação de serviço. No último caso, ao adquirir um produto, por exemplo, o cliente passa um valor superior para receber o restante em dinheiro.

No troco, o cliente receberá um extrato com o valor do saque e da compra.

COMO FUNCIONA O PIX SAQUE

Usuário do Pix vai a um estabelecimento que oferte o serviço;

O usuário faz um Pix no valor desejado para o estabelecimento por meio de um QR code, sem precisar fazer compras no local;

Em seguida, o cliente retira o valor no estabelecimento comercial, que atuou como um agente de saque.

COMO FUNCIONA O PIX TROCO

Usuário do Pix faz uma compra em estabelecimento comercial que oferte o serviço;

O usuário faz um Pix com um valor acima da compra. Por exemplo: a compra foi de R$ 20 e o Pix será de R$ 30;

Em seguida, o cliente recebe o troco, ou seja R$ 10, em espécie.

De acordo com o BC, o limite para saque e troco no Pix será de R$ 500 durante o dia e de R$ 100 entre 20h e 6h. “Haverá, no entanto, liberdade para que os ofertantes dos novos produtos do Pix trabalhem com limites inferiores a esses valores caso considerem mais adequado aos seus fins”, afirmou a autarquia.

A adesão à nova ferramenta é opcional. Assim, o comerciante poderá escolher se quer ou não oferecer o serviço.

meio norte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *